Por que o amor acaba? - Quatro Estações | Autoconhecimento, evolução e consciência Por que o amor acaba? - Quatro Estações | Autoconhecimento, evolução e consciência

Por que o amor acaba?

O amor realmente acaba? Um sentimento tão nobre e puro, como pode acabar?



Oh, corações desiludidos. Isso tem uma explicação. Já é hora de parar de sofrer por essa crença e ouvir a verdade sobre o amor. Está preparado?

Sabe quando alguém que amamos profundamente, aquele alguém que dedicamos nosso amor, nosso tempo e nossa vida, parte deste plano? Ou quando esse mesmo alguém termina um relacionamento? Entramos em desespero e grande sofrimento, nos sentimos quebrados e parece que nosso coração nunca mais será consertado e a ferida cicatrizada. Caminhamos para a negatividade de duas formas: ficamos deprimidos, mergulhados na tristeza ou, nas escolhas mais comuns, nos revoltamos, chegando a sentir raiva ou ódio.

Queremos amar e ser amados, mas em que condições? Você tem condições para amar? Algumas regras e expectativas sobre como o amor deve ser? 

Todo acontecimento inesperado em nossas vidas, neste universo relativo, parece que tira o nosso chão, nos sentimos sozinhos, perdidos e abandonados. Esse trauma que nós mesmos nos causamos, forma um arrombo em nossas vidas, nos fazendo parar no tempo e ficar somente rodando neste limbo por tempo indeterminado, parando totalmente o fluxo da vida em nosso ser. 

Você deve estar se perguntando: não sou eu que causo isso em minha vida e sim o outro. Por que eu causaria na minha vida um sofrimento desses? Isso não está certo!

Acontece que vemos só um lado da moeda. Apenas brigamos e sentimos raiva porque nossas expectativas sobre o outro não se concretizaram. Amor e expectativas não combinam. Juntos, eles se transformam no próprio inferno. 

A expectativa é criada pela mente, enquanto o amor surge no coração. Mente e coração se combinam perfeitamente, o que acontece é que a mente quer sempre mandar no coração, ao invés de escutá-lo e trabalharem juntos. Tudo o que é criado pela mente é ilusão. Logo, quando as expectativas e planos caem por terra, vem a frustração. Não é das pessoas e das coisas que sentimos raiva, mas sim de nós mesmos, do nosso querer ter controle sobre os outros, sobre a vida, sobre o futuro (inexistente).

Diante das expectativas não alcançadas, viramos o ponteiro do positivo para o negativo. Ficamos down. E culpar o outro só significa que você está vendo um lado da moeda: o da sua mente. 

E o que isso tem a ver com o amor acabar? Já chegamos lá. 

Abandone as expectativas. Todas. Em relação a tudo. Conhece a frase "deixe a vida me levar"... isso significa viver sem expectativas, que não é sinônimo de tristeza, mas sim de confiança na vida, no poder maior. Não crie mais ilusões para si mesmo. Se for inteligente o suficiente, abandone esse padrão mental e a felicidade te abraçará no mesmo instante.

Tendo entendido isso, o que acaba não é o amor, mas sim as expectativas que você criou sobre ele - o amor (ou quem ou algo fora de você).

Olhe sempre o todo de cada situação e circunstância. Olhe sempre a moeda toda, as duas faces, nesse caso, mente e coração. O lado da mente (ego) é o que geralmente escolhemos, o que é infelicidade. O lado do coração (alma, consciência, Deus, Ser) quase nunca é ouvido, o qual é o da felicidade. Na maioria da vezes a mente acaba vencendo, é só olhar para a situação da humanidade atualmente. Vivemos em nossas mentes 24 horas por dia, o humanidade vive em seu mundo mental, o que muitos chamam de MATRIX. Estar preso na própria mente. A mente berra, te distrai do seu propósito interruptivamente. Já o coração é como uma brisa bem suave, que nunca se impõe, mas não o ouvimos por causa do barulho mental, uma guerra de pensamentos e falação sem fim. Já observou isso em si mesmo?

O sofrimento se dá somente na mente. Através das experiências que julgamos ruins, que nossa mente (ego) julga ruim e uma total incompreensão da humanidade sobre o que é o AMOR, é que se faz a guerra. A guerra não é só fora. Acontece somente no nosso interior e ai, exteriorizamos para o mundo. É de dentro para fora, nunca o contrário. Já é hora de acordar para o amor verdadeiro, aquele que nos traz paz e alegria de viver.

A humanidade vive em grande ilusão desde o princípio, acreditando que o sinônimo de amar é sofrer. Poucos encontraram o caminho do amor verdadeiro, porque estão cheio de ideias de como é o amor e como ele deve ser. O amor não se controla, só transborda. Como diz a metáfora "a porta é estreita". O amor não pode ser possuído, sequer comprado e muito menos controlado. O amor verdadeiro não se mede, pois não possui condições para ser medido. É incondicional. Se tem condições para amar algo ou alguém, é condicional, é só apego. Foi criado pela mente. 

Muitas pessoas vivem com a crença de que amar é sofrer e por acreditarem nessa afirmativa muitas optam por criar um casulo em torno de si, evitam se relacionar para não se envolver emocionalmente. Estão fugindo do amor por ignorância. O mundo (dos humanos, porque a Terra é maravilhosa) os fez acreditar que o amor é assim. E ao invés de questionarem e observarem, se calam e aceitam cegamente essa "verdade".

Evitar o amor é evitar viver. Sem o amor, a vida não tem sabor.


Não é porque alguém que amamos se vai de nossas vidas que o amor acaba. É totalmente ilusório acreditar que o amor "tem" que acabar. Ao enterrar a pessoa, ou largar da pessoa, tem que enterrar o amor, largar o amor. Isso não tem sentido. No fundo, você sabe que o amor continua aí dentro de você, não adianta negar. Por que negar algo tão belo? Por que sufocar a verdade de seu coração?

Não é porque um relacionamento acaba que o amor também acaba. Levamos para sempre esse sentimento em nosso coração. A raiva e o desespero só significam um coisa: o amor está aí, mas você prefere negar. Não quer dar amor sem receber o amor de volta. Isso é egoísmo. Como já falamos aqui, é o ego. Só dar se também receber. Mude essa crença, esse padrão mental e sua vida seguirá outro rumo. Continue amando além do espaço/tempo. Mesmo que o tempo juntos já passou, aceite o amor que sente. Compreender isso é compreender o sentido da vida.

O amor é atemporal. Tudo perece, mas o amor permanece.

O amor é o sentimento mais real que podemos experimentar. A vida é como é por causa do AMOR. Em tudo está o amor. Amamos a comida. Não comemos para sobreviver, mas comemos porque amamos os alimentos e seus sabores. Trabalhamos porque amamos o dinheiro. O dinheiro é uma "energia de troca" maravilhosa que nos proporciona obter aquilo que precisamos. Através dessa energia, o trocamos por coisas que amamos usar: objetos, música, teatro, livros, dança, roupa, alimentos, moradia etc.

Amamos dormir, amamos relaxar, amamos fazer coisas, amamos criar coisas, amamos passear, amamos estar com pessoas. Amamos o cheiro, os sons, amamos ver, amamos tocar e sentir. Amamos respirar e sentir nosso coração batendo dentro do peito, pulsando a própria vida. Podemos "sentir" o amor por toda parte.

O que faz o sol brilhar para assim possibilitar que haja vida no planeta? Será o acaso? Uma grande coincidência? O que faz a terra a não ser doar amor pelos seres que nela habitam, sem receber nada em troca? E a destruímos, porque não a amamos.

Porque a Terra germina a vida? Somos tão insensíveis assim para não perceber o amor incondicional que ela derrama por nós? Uma única semente brota da terra e nasce uma flor, seja para os pássaros, abelhas e borboletas a uma árvore frutífera para nos alimentar.

O amor é nosso relacionamento com tudo que está a nossa volta e com nós mesmos. Você escolhe olhar pelo buraco da fechadura ou abrir a porta. É sua escolha, sempre. Se quiser, abra a porta e veja por si mesmo.

Se auto-observe. Isso é meditação. A nossa mente (ego) tenta nos impor condições, enquanto o coração (que é o puro amor) nos dá livre arbítrio para escolher qual lado da moeda queremos, se queremos abrir ou espiar pela porta. Enquanto a maioria de nós escolher sempre o ego (mente), a alma (coração) nos espera pacientemente pela eternidade, nos deixa livre com nossas escolhas, até estarmos maduros, lúcidos o suficiente para finalmente deixar de lado as bobagens da mente (mente humana) e ouvir somente o coração (mente da alma). A mente humana e a mente da alma, por assim dizer, desarmonizadas geram um sofrimento desnecessário. Por isso, harmonize-se consigo mesmo.

Como já disse o Alquimista (Paulo Coelho), onde está o nosso coração, está o nosso tesouro.

Neste universo relativo, o amor é o absoluto. É a chave que abre todas as portas. É a porta aberta que nenhum homem (mente humana) pode fechar.

O amor está além dos nossos sentidos, por isso não podemos ver e tocar, muito menos possuir amor. O querer possuir amor é só apego a algo ou a alguém. O amor verdadeiro aceita e respeita a escolha do outro, o amor falso julga e critica (o tal da opinião sobre tudo, como dizia Raul Seixas).

Como sermos aceitos se não aceitamos a si próprio nem os outros livremente, sem condições? É uma verdadeira roda gigante sem fim, ciclos e ciclos, perdidos no próprio drama que criamos.

Amor impuro = mente + coração. Amor puro =  coração. Somente o amor impuro acaba. O puro é imutável e permanece para sempre. A essa energia que chamamos de amor, podemos chamar de Deus.

Ser o amor puro é ser o próprio Deus, é entrar de volta no paraíso aqui e agora.

Portanto, depois de tudo isso que conversamos, espero de coração que compreenda essas palavras e escolha a boa parte. Você cria a sua realidade a partir de suas escolhas. Digo e repito: não é o amor que acaba, mas sim as expectativas. Conheça o amor, e saberás a verdade.

Te aceito e te respeito.

Aviso de propriedade: Todos os conteúdos do Quatro Estações são protegidos por copyright, o que significa que nenhum texto pode ser usado sem a permissão expressa, mesmo citando a fonte.

Nenhum comentário

Postar um comentário

JUNTE-SE A 2.797 PESSOAS. Inscreva-se na nossa lista VIP para receber o conteúdo no seu e-mail gratuitamente.

Acompanhe pelas redes